Chefe de uma das maiores Escolas da Otologia francesa (Bordéus), morreu agora com a idade de 93 anos.
Deixa um legado impressionante, este cirurgião de renome mundial, autor de livros por onde muitos de nós estudámos e cujas áreas de interesse se estenderam à audiologia ou otoneurocirurgia e soube agregar uma plêiade de colaboradores como Jacques Boussens ou Michel Negrevergne, que mais se aproximaram de nós.
Mas não foi exclusivamente à otologia que dedicou a sua vida – a política e a pintura foram também pilares importantes. Um exemplo incontornável de cientista, mestre e cidadão.
 
VG